A ideia de biossegurança fundamenta-se na premissa de que os riscos relacionados a agentes químicos, biológicos, radioativos, nucleares e da biologia sintética podem ser avaliados e contidos usando procedimentos técnico-científicos, sendo problemas complexos que não podem ser solucionados por uma abordagem reducionista.

Por definição, a Biossegurança é o conjunto de medidas e ações que visam a prevenir, minimizar ou eliminar riscos associados à atividades de pesquisa, produção, ensino, desenvolvimento tecnológico e prestação de serviços, visando à saúde humana, animal, ambiental, assim como, garantir a qualidade e segurança dos produtos e serviços.

Com a evolução das biotecnologias e o uso de agentes biológicos em atividades econômicas, a biossegurança a ser necessária em praticamente todos os segmentos econômicos e de serviços se aplica em praticamente todos os setores como, na saúde, agricultura, pecuária, meio ambiente, na indústria farmacêutica, de alimentos, no ensino, na pesquisa, na produção de insumos etc.

Genericamente pode-se definir a bioproteção como sendo o conjunto de medidas destinadas a prevenir a introdução, liberação ou propagação de organismos nocivos para ambientes nos quais podem causar danos significativos. Na saúde, o termo inclui ameaças químicas e biológicas para as pessoas, inclusive enfermidades, de surtos à pandemias ou atos de bioterrorismo. Na agropecuária visa proteger culturas alimentares e animais, de pragas, doenças, espécies invasoras ou outros organismos que podem prejudicar o bem-estar da população humana. Neste contexto, ampliando sua definição com o intuito de abranger conceitos de defesa, segurança alimentar, saúde animal, saúde pública, saúde única, proteção da biodiversidade e segurança nacional.

Rolar para cima